2º Leilão de Energia de Reserva de 2016

Metodologia, Premissas e Critérios

Em atendimento à Portaria do MME nº 444/2016, disponibilizamos a Nota Técnica ONS NT 113/2016 / EPE-DEE-RE-082/2016-r1 – "2º LER/2016: Metodologia, Premissas e Critérios para a Definição da Capacidade Remanescente do SIN para Escoamento de Geração pela Rede Básica, DIT e ICG".

Ainda, de acordo com a citada Portaria, esta Nota Técnica foi aprovada pelo MME e está sendo disponibilizada, também, nos sítios da ANEEL, da EPE e do ONS.

  • Acesse o conteúdo da Nota Técnica ONS NT 113/2016.
  • Quantitativos da Capacidade Remanescente

    Em atendimento à Portaria do MME nº 444/2016, disponibilizamos a Nota Técnica NT 121/2016-r0 – "2º Ler/2016: Quantitativos da Capacidade Remanescente do SIN para Escoamento de Geração Pela Rede Básica, DIT e ICG " e os casos de referência.

    Republicamos a Nota Técnica "Capacidade Remanescente do SIN para Escoamento de Geração", em função da elevação nos valores das Margens nas subestações Milagres 500 kV, Milagres 230 kV e Quixadá 500 kV. Apesar do aumento das margens nessas SES, o valor total da margem na área formada por essas subestações, pela subestação São João do Piauí e pelo seccionamente da LT 500 kV São João do Piauí - Sobradinho não foi alterada.

  • Acesse o conteúdo da Nota Técnica ONS NT 121/2016.
  • Casos de Referência - 2º LER 2016 - NNE.
  • Casos de Referência - 2º LER 2016 - SE.
  • Casos de Referência - 2º LER 2016 - SUL.
  • Casos de Referência - 2º LER 2016 - Interligação Norte/Sudeste
  • Caso de Curto-circuito - 2º LER 2016
  • Níveis mínimos de curto-circuito

    Os níveis mínimos de curto-circuito para os barramentos candidatos que apresentam capacidade remanescente de escoamento e viabilidade física para conexão dos empreendimentos de geração foram calculados a partir do caso de referência de curto-circuito do ONS 2018. No caso utilizado foram consideradas as gerações eólicas e térmicas com despachos zerados, com exceção da geração térmica que possui inflexibilidade de despacho. Além disso, foram excluídas do caso as obras da Abengoa e as obras atrasadas da Eletrosul que apresentam impacto relevante na região de análise. Os resultados são apresentados na tabela Níveis Mínimos de Curto-Circuito para cada barra. Estes valores são orientativos e podem ser considerados pelos empreendedores no dimensionamento de suas instalações, de modo a garantir o adequado desempenho das fontes eólicas e fotovoltaicas em situações de valores reduzidos da relação de curto circuito (SCR – Short-Circuit Ratio).

    Níveis Mínimos de Curto-Circuito - 2º LER 2016

    Voltar